Casados há 47 anos, dona Jarde e seu Ademar, moradores do Jardim Cruzeiro, permaneceram sete dias internados no Hospital de Campanha

Nesta semana, Franco da Rocha, alcançou a marca de mais de dois mil pacientes recuperados da Covid-19. Esse número simboliza a força de milhares de franco-rochenses que venceram a doença e guardam histórias de superação e esperança.

Como dona Jarde e seu Ademar, moradores do Jardim Cruzeiro, que foram diagnosticados com a Covid-19 no mesmo dia, passaram juntos por um período de internação no Hospital de Campanha e hoje se recuperam em casa, ao lado da família.

No início do mês passado, Jarde Nilza dos Santos, de 62 anos, apresentou os primeiros sintomas do que achou que seria apenas uma gripe forte. Dias depois, o marido, de 70 anos, também manifestou sintomas, como tosse seca, falta de apetite, dor de garganta e febre alta.

Com o agravamento da doença, a filha decidiu levar o pais até o Hospital de Campanha do município. Após testarem positivo para a Covid-19, tiveram uma piora, e a dificuldade de respirar exigiu que eles permanecessecem internados na unidade.

Há cinco anos, dona Jarde enfrentou uma trombose, que afetou os pulmões e até hoje requer acompanhamento médico. “Ficamos muito assustados com o resultado positivo porque sou hipertensa e já tive trombose. No hospital de campanha, fizemos raio-x, tomografia e tivemos que respirar com a ajuda de oxigênio”, conta a esposa.

A simpatia de Jarde e Ademar encantou os funcionários do hospital, onde eram carinhosamente chamados de ‘casal vinte’. “Não tenho palavras para agradecer ao pessoal da saúde. Eles são incríveis. Mesmo em meio ao trabalho puxado, encontravam tempo para dizer uma palavra de apoio, ajudar a mandar um recado para a família e prestar um atendimento humano para nós”, relembra Jarde.

Medo e esperança

Juntos há 47 anos, o maior desafio para Jarde e Ademar era ficar distante dos filhos. “Estávamos isolados no hospital e, muitas vezes, meus filhos iam receber informações e as enfermeiras nos avisavam para sabermos que eles estavam lá mandando mensagens de carinho. Era reconfortante”.

“Eu fiquei com tanta dificuldade de respirar que tive medo de não sair daquela situação. Mas tive muita fé e esperança de que ficaríamos bem. O que mais nos motivava era a vontade de voltar para a nossa família”, diz Jarde.

Após a alta da esposa, seu Ademar precisou permanecer por mais um dia no Hospital de Campanha, e no momento da saída, com dona Jarde esperando para recebê-lo, a emoção tomou conta da unidade.

Em meio a despedida dos funcionários e a alegria em ver os filhos, Jarde deixou mensagens de agradecimento a todos os colaboradores da saúde. “Vocês fazem um trabalho muito bonito e eu agradeço de coração por todo o carinho que recebemos”.